domingo, 14 de fevereiro de 2016

Houve um impasse na escrita
Da poesia infinita:
Por onde começá-la?


Perdi a poesia
Na folia
Os pés imundos,
Os olhos fartos
Peito robusto
De medo
- mas isso é segredo
Já que sigo pelas ruas
Como se fosse imortal

Como as maiores montanhas do mundo


Para sempre
Não mais
É muito
Na verdade é o instante
Que apesar
Do agora
Segue
Entre tanto
Entre tudo