terça-feira, 27 de outubro de 2015

Encarnei na melanina
Na pele preta fina
Lâmina
Feminina
Corte doce e reto
Do dia enclausurado
No mesmo eterno caos
Assistido pelos céus
Movido pelas almas
Vivido pelas gentes
Que range os dentes
Por dentro e por fora

Faz acontecer
A hora
Amanhã é raro
Melhor nem pensar
Ri, chora
e derrama
A beleza
Da nossa origem forte
Não devemos nossa vida
Ao azar ou sorte
Melanina n´alma
Do caminho
Aflora
Noite adentro
As cores

e os espinhos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitor e leitora, dê sua opinião, recado etc aqui!